10 coisas que os turistas precisam saber sobre a cannabis na Tailândia

10 coisas que os turistas precisam saber sobre a cannabis na Tailândia

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

O Governo tailandês pretende esclarecer o que a lei permite para que os visitantes possam agir de acordo

O Ministério da Saúde tailandês emitiu um guia intitulado “10 coisas que os turistas precisam saber sobre a cannabis na Tailândia” (traduzido do inglês), informou o Bangkok Post.O objetivo é fornecer informações aos visitantes sobre o que eles podem ou não fazer em relação à maconha no país.

Tailândia foi o primeiro país asiático a retirar a cannabis com baixo teor de THC (tetraidrocanabinol) da lista de narcóticos.

“Isso gerou grande interesse em produtos à base da planta entre turistas e pessoas que planejam visitar o país”, disse o vice-secretário permanente do ministério Dr. Narong Apikulwanit.

O novo cenário legal da maconha pode impulsionar a recuperação econômica do país após a crise pandêmica.

Maconha para atrair turistas

Durante uma conferência realizada em março do ano passado, como parte da campanha de educação pública sobre a nova lei, o secretário da Comissão de Saúde Pública Chatchai Rojrungrangsi disse que a maconha é a “arma secreta” da Tailândia na batalha para atrair turistas à medida que a pandemia diminui.

Os legisladores ainda estão discutindo um projeto de lei para regulamentar o uso e a venda de cannabis, que corre o risco de não ser aprovado no parlamento atual. O mandato dos membros da Câmara dos Representantes vai até o final de março.

Enquanto isso, o ministério da saúde quer garantir que os visitantes saibam o que a lei tailandesa permite para que possam agir de acordo.

Segundo o Bangkok Post, o ministro da saúde Anutin Charnvirakul pediu aos escritórios provinciais de turismo para distribuir o guia em inglês aos turistas e planeja disponibilizá-lo em outros idiomas, incluindo chinês, coreano, japonês e russo.

10 coisas que os turistas precisam saber sobre a cannabis na Tailândia

Confira as 10 coisas que os turistas precisam saber sobre a maconha na Tailândia, a seguir:

  1. Não é permitido transportar sementes ou partes de plantas de cannabis de e para a Tailândia para fins pessoais.
  2. O cultivo de cannabis é legal, mas é necessário registrar-se no aplicativo Plook Ganja da Food and Drug Administration (agência sanitária tailandesa) ou por meio de um site do governo.
  3. Usar buds (inflorescências) de cannabis para pesquisa, exportação e venda e processá-los para fins comerciais requer uma licença oficial.
  4. Indivíduos com menos de 20 anos de idade, mulheres grávidas e mulheres que amamentam não podem usar cannabis, exceto sob a supervisão de profissionais de saúde.
  5. A posse de extratos contendo mais de 0,2% de THC e THC sintético requer permissão.
  6. Pratos contendo cannabis estão disponíveis em restaurantes autorizados.
  7. Os produtos de saúde de cannabis aprovados podem ser acessados ​por meio de canais específicos.
  8. Fumar cannabis em espaços públicos, incluindo escolas e shoppings, é ilegal.
  9. Evite dirigir após consumir alimentos ou produtos de saúde que contenham cannabis.
  10. Aqueles que têm sérios efeitos indesejáveis na saúde devido ao consumo de cannabis devem consultar imediatamente os médicos para tratamento.

Em outubro, o Departamento de Agricultura da Tailândia emitiu um decreto modificando as restrições à importação de sementes de maconha.

As sementes de cannabis agora podem ser enviadas para a Tailândia do exterior por via aérea, marítima ou terrestre — antes, apenas o transporte aéreo era permitido — e não precisam mais ser tratadas com fungicidas.

Sobre as nossas colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas