• 30 de novembro de 2021

Cerca de 50 mil brasileiros utilizam a cannabis como tratamento no Brasil

 Cerca de 50 mil brasileiros utilizam a cannabis como tratamento no Brasil

Segundo um relatório divulgado recentemente, com uma regulação mais abrangente, o número poderia chegar a quase sete milhões.

Nos últimos cinco anos o número de pacientes que passaram a utilizar o tratamento alternativo cresceu de forma contínua, principalmente depois que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) começou a autorizar a importação em 2015.

A cada ano, mais pessoas solicitam um produto importado. Em 2016 eram 469 pedidos, em 2017 saltou para 1.390. No ano seguinte, foram mil solicitações a mais e em 2019, o número dobrou para 4.507. Quantidade que foi ultrapassada no primeiro semestre do ano passado.

Segundo a Anvisa, até junho deste ano mais de 50 mil produtos foram importados, pois atualmente, são mais de 20 mil pessoas com autorização para a importação de remédios à base de cannabis. 

Outras fontes de acesso 

Isso sem contar os pacientes atendidos por entidades ou que plantam em casa com um aval judicial através do habeas corpus.

Só a Associação Abrace Esperança, por exemplo, uma das mais de 30 espalhadas pelo Brasil, atende mais de 14 mil pacientes.  

Segundo o levantamento divulgado pela empresa de inteligência de mercado Kaya Mind, a estimativa é que o número de brasileiros que utilizam o tratamento alternativo chegue a 50 mil. 

Quase sete milhões de potenciais pacientes

A pesquisa também fez projeções para mostrar o cenário de um acesso maior à cannabis. A estimativa é que de 50 mil, o uso da terapia canábica pode saltar para 6,9 milhões. 

Isso porque a cannabis é capaz de tratar mais de 20 condições médicas, pois atua no que chamamos de Sistema Endocanabinoide, presente em boa parte do organismo. 

As principais são Alzheimer, Epilepsia, Autismo, Câncer e até ansiedade. Contudo, a falta de acesso e legislação ampla dificulta o tratamento, principalmente em pessoas de baixa renda.

Desigualdade

Os produtos à base de cannabis não são baratos. Eles custam de trezentos a três mil reais cada frasco. O único óleo nacional disponível nas farmácias, por exemplo, custa dois salários mínimos. 

Embora os produtos importados por vezes saem mais em conta, o valor nem sempre é acessível para boa parte dos pacientes, isso sem contar os custos adicionais com frete e documentações.

O que reflete até na concentração de pessoas que importam produtos derivados da cannabis. O relatório aponta que a maioria deles está na região sudeste do país (67%), seguidos pela região sul (13%), centro-oeste (10%),nordeste (7%) e por fim, a região norte, com apenas 3%.

A mesma sequência de concentração de renda no Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Para se ter uma ideia, dos mais de 500 mil médicos no Brasil, apenas 2.100 prescrevem a cannabis, também concentrados em estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná. 

 

Tainara Cavalcante

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias