• 16 de outubro de 2021

Concentrados de Cannabis: o que são e quais as diferenças

 Concentrados de Cannabis: o que são e quais as diferenças

Há inúmeras formas de manusear a cannabis. Dependendo de cada uma delas, a cannabis pode se tornar líquida, pastosa, esfarelada e até com a textura similar ao mel. Entenda.

Haxixe, BHO, tinturas, óleos CO2 e muito mais. Todos possuem uma coisa em comum: são extraídos da planta cannabis. Contudo, em processos diferentes, o que garante as experiências sensoriais mais variadas, os chamados concentrados.

Como o próprio nome diz, os concentrados são mais intensos que o uso convencional da cannabis. Enquanto algumas flores possuem uma porcentagem de 16% a 24%  de tetraidrocanabinol (THC), componente que gera os efeitos alucinógenos da planta, os concentrados podem chegar até 90%.

Outros, também têm concentrações maiores de Canabidiol (CBD), normalmente utilizados para remédios. 

A diferença está também na forma em que são desenvolvidos. Mais que solventes, os concentrados levam uma série de processos que envolvem a tecnologia e a química, onde o resultado pode variar.

Vamos conhecer cada um:

Haxixe

Essa talvez seja uma das formas de concentrados mais conhecidas. A  maior diferença entre a maconha e o haxixe é o método de extração. 

Enquanto o THC da maconha é retirado das flores secas, o haxixe é extraído dos chamados tricomas, aquela pequena cobertura branca da planta que parece pelo. O método mais convencional de extração é a tela de remover tricomas, bastante utilizado comercialmente. 

As telas são esfregadas na planta até soltar a substância, que é coletada e prensada com um tijolo. Há também quem faça essa retirada de tricomas com gás butano, gelo e álcool, que podem variar no resultado final. 

As resinas de tricomas geralmente são transformadas em bolotas ou tabletes, que podem ser até mascados.

Óleo de Butano (BHO)

O processo para a obtenção do BHO é simples: a extração do THC ocorre pela dissolução das folhas, galhos e brotos de cannabis em gás butano, por isso também é considerado um tipo de Haxixe. 

Ao entrar em contato com a matéria orgânica, o gás produz uma espécie de óleo com textura parecida com mel.

A substância contém uma concentração de THC bem maior do que encontrada nos brotos, pois o butano retira o THC encontrado nos tricomas da planta, depositando-o no óleo.

É uma forma de concentração potente da cannabis que vem em várias consistências, incluindo extrator, estilhaçador, cera e muito mais. O nome dado, é pelo fato de ser um solvente usado para extrair óleos da cannabis.

Existem alguns perigos envolvidos com o uso do butano (gás incolor, inodoro e altamente inflamável) para extrair, como o risco de explosão.

Este método também tem diferentes tipos de consistência, como:

Budder

É uma consistência que pode ser alcançada através da agitação durante o processo de extração. O nome vem pelo fato de ser semelhante à consistência da manteiga.

Crumble

Crumble é nomeado assim, porque ele se desfaz como um queijo seco. Quando um deles escapam da mão e caem, podem se desfazer em vários pedaços minúsculos que são difíceis de recolher.

Shatter

É a única forma de concentrado de cannabis que pode ser manuseado sem ajuda de alguma ferramenta. Esse nome foi dado pelo fato de parecer com um vidro. O Shatter pode ter uma consistência mais simples e mais fácil de manusear.

Live Resin

É um concentrado que quase sempre é feito com o butano. Ela se difere de outros extratos por causa do material usado.

Os nugs ou guarnições que forem colhidos recentemente e criogenicamente congelados podem ser usados no processo de extração. Elas podem ter diferentes consistências incluindo o THCa, molho e açúcar.

Concentrado CO2

Essa é uma alternativa aos críticos do gás butano, pois muitos acreditam que o BHO pode conter resquícios de solventes cancerígenos. Basicamente é uma extração mais limpa.

Menos viscoso que os demais óleos, ele é recomendado para canetas vaporizadoras. Contudo, parece que o THC é menos solúvel, o que pode diminuir o efeito do concentrado. 

O método consiste na extração por máquinas, que pressionam a planta em altas temperaturas para alterar o CO2. Esse processo consegue separar perfeitamente terpenos e canabinoides. 

Rosin

Esse é de longe o concentrado mais fácil e seguro de se fazer. Ele não envolve ingredientes perigosos e nem máquinas apropriadas, podendo ser feito em casa mesmo. 

Resumidamente, o baixo calor e a pressão são aplicados até a extração do óleo, que pode ser feito a partir de flores secas, congeladas ou até do haxixe extraído sem nenhum tipo de solvente. 

Técnica que é feita por distribuidores de dispensários também. Com máquinas próprias eles conseguem escolher quais os canabinoides estarão mais presentes no concentrado. 

RSO

Ao contrário dos demais métodos, que focam na experiência recreativa, esse tipo de extração é voltado ao uso medicinal, especialmente para câncer e convulsões.

Aqui as flores são colocadas em um álcool isopropílico, onde os compostos desejados são extraídos. Assim que o solvente é evaporado, a mistura vira um óleo viscoso e escuro.

Ele pode ser utilizado via sublingual, oral e até diretamente na pele. 

Tintura e Óleo

Sim, os óleos feitos com a planta para o tratamento de diversas doenças é um tipo de concentrado, tanto ele como as tinturas.

Para fazer uma solução canábica líquida é importante utilizar algum tipo de solvente. Contudo, a cannabis é hidrofóbica, ou seja, é facilmente diluída em substâncias como gorduras, por exemplo, mas não é solúvel na água. 

Por isso, não há muita diferença entre as tinturas e os óleos, até os recipientes usados para armazenar o conteúdo são iguais. É no processo de fabricação que eles se diferenciam.

As tinturas eram o método medicinal mais comum antes da proibição da cannabis nos Estados Unidos em 1937. A sua principal característica é que após o processo de descarboxilação, a cannabis é diluída em álcool.

A sua concentração pode chegar até a 60% e um frasco pode durar até cinco anos. 

Já quando falamos sobre o óleo de cannabis, há algumas diferenças depois da ativação das moléculas. Como o próprio nome diz, a cannabis é dissolvida em algum tipo de óleo ao invés de álcool. 

Neste processo é utilizado azeite, óleo de coco e até o óleo das sementes da própria cannabis.

Tainara Cavalcante

Tainara Cavalcante

Jornalista e produtora de conteúdo no Cannalize. Amante de literatura, fotografia e conteúdo de qualidade.

Mais Notícias