Jovens dos EUA trocam álcool por cannabis em números recordes, diz estudo

Jovens dos EUA trocam álcool por cannabis em números recordes, diz estudo

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

O álcool está caindo em desuso entre os jovens americanos à medida que a cannabis ganha popularidade

Foto: Freepik

Traduzido da High Times

A juventude americana está fumando mais maconha do que nunca, mas, de acordo com os mesmos dados, eles estão abandonando o hábito da bebida simultaneamente – levantando a questão se a sociedade está melhor como um todo.

As descobertas foram publicadas na última segunda-feira (5) na revista acadêmica Clinical Toxicology, identificando precisamente 338.727 casos de abuso intencional ou uso indevido entre crianças americanas de 6 a 18 anos. Os norte-americanos fizeram um bom trabalho em manter as drogas longe de crianças pequenas, já que a maioria dos casos envolvendo crianças menores de 6 a 12 anos foram acidentais e geralmente envolvendo itens de venda livre, como vitaminas e hormônios.

Entre os jovens americanos, o uso de cannabis aumentou 245% desde 2000 nos EUA, enquanto o abuso de álcool diminuiu constantemente no mesmo período. “Os jovens estão trocando o álcool pela maconha”, informa o Neuroscience News.

“Os casos de abuso de etanol excederam o número de casos de maconha todos os anos de 2000 a 2013”, afirmou a Dra. Adrienne Hughes, professora assistente de medicina de emergência na Oregon Health & Science University, uma das autoras do estudo. “Desde 2014, os casos de exposição à maconha excederam os casos de etanol todos os anos e em uma quantidade maior a cada ano do que no ano anterior.” 

“Esses produtos comestíveis e vaping costumam ser comercializados de maneira atraente para os jovens e são considerados mais discretos e convenientes”, diz Hughes.

Os pesquisadores apontaram o que a maioria de nós já sabe: que os problemas associados à cannabis geralmente envolvem comestíveis que levam horas para aparecer.

“Em comparação com fumar maconha, que normalmente resulta em uma euforia imediata, a intoxicação por formas comestíveis de maconha geralmente leva várias horas, o que pode levar alguns indivíduos a consumir quantidades maiores e experimentar altas inesperadas e imprevisíveis”, diz Hughes.

Os pesquisadores observaram 57.488 incidentes envolvendo crianças de apenas 6 a 12 anos, mas eram casos envolvendo vitaminas, plantas, melatonina, desinfetantes para as mãos e outros objetos domésticos típicos.

Uma ligeira maioria das ingestões de cannabis foi observada em homens versus mulheres em 58,3%, e mais de 80% de todos os casos relatados de exposição à cannabis ocorreram em adolescentes de 13 a 18 anos.

O relatório ilustra como as drogas entram e saem de moda ao longo do tempo. O dextrometorfano – a substância mais relatada durante o período do estudo – atingiu o pico em 2006, mas caiu em desuso entre os jovens americanos.

O abuso de álcool entre jovens atingiu o pico há mais de 20 anos, em 2000, quando o maior número de casos de abuso envolvia a exposição ao etanol. Desde então, o abuso de álcool infantil diminuiu constantemente ao longo dos anos.

Os casos de cannabis, por outro lado, permaneceram relativamente estáveis ​​de 2000 a 2009, com um aumento de casos a partir de 2011 e um aumento mais agudo de casos de 2017 a 2020.

Leia também: Várias pessoas com transtorno bipolar usam maconha. Às vezes pode ajudar

O mesmo padrão pode ser visto quando menos jovens americanos estão bebendo álcool. Mudanças nos tipos de produtos de cannabis que estão sendo consumidos também são aparentes. Mas o aumento de experiências comestíveis desagradáveis ​​é uma preocupação para a equipe de pesquisadores.

“Nosso estudo descreve uma tendência ascendente na exposição ao abuso de maconha entre os jovens, especialmente aqueles envolvendo produtos comestíveis”, diz Hughes.

“Essas descobertas destacam uma preocupação contínua sobre o impacto da legalização da maconha em rápida evolução nessa população vulnerável”.

As descobertas não são exatamente conclusivas: dados anteriores, financiados pelo governo federal, descartam a teoria de que as medidas de legalização têm uma correlação com o aumento do uso de maconha por adolescentes.Um estudo publicado em novembro na revista American Journal of Preventive Medicine descobriu que a legalização da cannabis “não estava significativamente relacionada” à “probabilidade ou frequência do uso autorrelatado de cannabis no ano passado” por adolescentes. Também descobriu que “os jovens que passaram mais de sua adolescência sob legalização não tinham mais ou menos probabilidade de ter usado maconha aos 15 anos do que os adolescentes que passaram pouco ou nenhum tempo sob legalização”.

Consulte um médico 

É importante ressaltar que qualquer produto feito com a cannabis precisa ser prescrito por um médico, que poderá te orientar de forma específica e indicar qual o melhor tratamento para a sua condição.

Caso precise de ajuda, disponibilizamos um atendimento especializado que poderá esclarecer todas as suas dúvidas, além de auxiliar na marcação de uma consulta com um médico prescritor, passando pelo processo de importação do produto até o acompanhamento do tratamento. Clique aqui.

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas