Presos cultivam maconha em presídio nos EUA

Presos cultivam maconha em presídio nos EUA

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

A prisão foi  transformada em uma fazenda há seis anos e ajuda pessoas condenadas por tráfico a serem livres e voltar para o mercado de trabalho

Reprodução/Evidence

Você sabia que tem uma prisão nos Estados Unidos que foi transformada em uma fazenda de maconha? E o melhor de tudo é que ela tem ajudado pessoas que foram condenadas por crimes de drogas a serem livres e  voltarem para o mercado de trabalho. 

O chamado Last Prisoner Project funciona há seis anos no Centro de Custódia Claremont em Coalinga, na Califórnia e, segundo um levantamento recente, 98 presos já foram soltos através do trabalho.

Isso, sem contar com mais de 200 presos libertos em 2022 que receberam um “auxílio reentrada”. 

“Nossos recursos financeiros de reentrada estão focados em garantir que nossos constituintes que foram afetados negativamente pela criminalização da cannabis tenham as ferramentas e os recursos necessários para reconstruir suas vidas com sucesso, bem como criar caminhos para o emprego na indústria legal de cannabis”, explica o perfil oficial do projeto, que é sem fins lucrativos.

Cadeia ou fazenda de cannabis?

O portal de notícias Los Angeles Times possui uma série de entrevistas em vídeo chamada “Green Room” e, na última semana, entrevistou uma das fundadoras da marca Evidence, parceira do projeto. 

Casey Dalton diz que trata-se de um negócio de família e que “cultivam maconha em uma prisão para tirar as pessoas da prisão por cultivar maconha”. 

A área externa do centro de custódia é usada para o plantio da cannabis e eles utilizam as celas para realizar os processos de embalagem da planta. Dalton brinca que uma das vantagens é a maior segurança de seus produtos. 

Parte das vendas são dedicadas ao Last Prisoner Project. Outra parte vai para a empresa e uma terceira destinada à conscientização do encarceramento de pessoas presas por crimes não violentos envolvendo a cannabis. 

Conte com a gente 

Caso precise de ajuda, disponibilizamos um atendimento especializado que poderá esclarecer todas as suas dúvidas, além de auxiliar desde achar um médico prescritor até o processo de importação do produto. Clique aqui.

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas