UFRN obtém o direito de cultivar cannabis para estudos

UFRN obtém o direito de cultivar cannabis para estudos

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

A decisão chegou alguns dias depois da autorização de cultivo da Universidade Federal de Santa Catarina. 

Foto: Freepik

Nesta quinta-feira (15) a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou o cultivo de cannabis pela UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), que será destinado a estudos com a planta. 

As pesquisas serão realizadas pelo Instituto do Cérebro da universidade e serão destinadas a criação de tratamentos psiquiátricos e neurológicos com a cannabis. 

Contudo, a autorização é para estudos pré-clínicos, ou seja, ainda não podem ser feitos em humanos. 

Embora bastante limitado, o Brasil é um dos países que mais faz pesquisas com cannabis e o que mais estuda o CBD (Canabidiol), uma das principais substâncias da planta utilizada para a fabricação de fitoterápicos.

Leia também: Federal de SC obtém o direito de cultivar e produzir óleo de cannabis para estudos

Insistência

A universidade só obteve o direito, após entrar com um recurso administrativo sobre um pedido que havia feito ainda em 2021 e que foi negado.

Na análise do recurso, o diretor da Anvisa e relator do processo, Alex Machado Campos, lembrou da importância dos estudos feitos com a planta.

Como por exemplo, as pesquisas realizadas pela UFSJ (Universidade Federal São João Del Rei), que, apenas com a autorização do cultivo in vitro, conseguiu desenvolver duas patentes.

Exigências

Mas, para obter a autorização, a Anvisa estabeleceu uma série de exigências a serem cumpridas, como:

  • O projeto de edificação e instalações da instituição de pesquisa deve ser submetido à avaliação da Anvisa; 
  • A universidade deve encaminhar à agência reguladora os registros de acompanhamento individual de cada projeto em andamento por meio de relatórios semestrais e anuais; 
  • Ao fim do projeto, deve ser enviado à Anvisa um relatório de conclusão com informações sobre a utilização e destinação da cannabis; 
  • Caso o produto seja descartado, deve ser inativado por meio de autoclavagem e descarte feito por empresa especializada; 
  • Estabelecer requisitos específicos para o controle de acesso às instalações onde serão realizadas as pesquisas. 

“Por fim, reforça-se que a aprovação em tela visa permitir a geração de insumo em território nacional – produzido sobre rígidas condições de controle e de estrita utilização no âmbito da pesquisa científica, nos termos do fomento a estudos e pesquisas, de acordo com as atribuições desta Agência e em atuação voltada à garantia do direto à saúde, com mitigação dos riscos sanitários.”

Consulte um médico 

É importante ressaltar que qualquer produto feito com a cannabis precisa ser prescrito por um médico, que poderá te orientar de forma específica e indicar qual o melhor tratamento para a sua condição.

Caso precise de ajuda, disponibilizamos um atendimento especializado que poderá esclarecer todas as suas dúvidas, além de auxiliar na marcação de uma consulta com um médico prescritor, passando pelo processo de importação do produto até o acompanhamento do tratamento. Clique aqui.

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas